Dermatofitose em Equideos

Dermatofitose em Equideos
A dermatofitose ou tricofitose é uma doença cutânea (pele) altamente contagiosa, causada por fungos patogênicos chamados de dermatófitos, é uma doença de distribuição mundial, porém mais comumente encontrada em regiões tropicais, devido a umidade e ao calor que propiciam o habitat destes fungos.
A Dermatofitose, possui como agentes etiológicos, os fungos das espécies de Microsporum sp, Trichophyton sp e Epidermophyton sp, que podem afetar várias espécies, como seres humanos (antropofílicos), cães, gatos, bovinos e equídeos (zoofilicos).
Em equídeos o agente causador da enfermidade mais comum, é Trichophyton equinum um fungo filamentoso que provoca infecções restrita ao extrato queratinizado da pele, permanecendo somente na superfície da pele.

Etiologia

Nos equídeos, o agente mais comumente envolvido é Trichophyton equinum, porém com menos intensidade pode haver outros agentes causadores como Trichophyton mentagrophites, Microsporum gypseum e Microsporum equinum e Microsporum canis.  (SMITH, 1994 )
Um terceiro grupo, dos geofílicos, são sobretudo saprófitos do solo (fungos terrestres) e ocasionalmente infectam tanto seres humanos quanto animais. (JONES et al, 2000; FRASER, 19) 
As dermatofitoses caracterizam-se pelo o crescimento de fungos sobre ou no interior dos pelos, pele, unhas e cascos. 
A infecção não se dissemina para estruturas mais profundas da pele, a visualização da infecção causada pelos fungos são vistas no interior ou sobre os pelos onde são observados dois tipos principais de crescimento: dermatofitos ectothrix, caracterizados por uma invasão miceliana no interior do pêlo, com artrósporos no lado externo do fio capilar e artrósporos endotrix,  encontrados no interior do pelo. Todos os patógenos animais são do tipo ectothrix.
Á respeito de sua resistência, os dermatófitos são resistentes ao meio ambiente e aos desinfetantes, permanecendo endêmicos nas criações, mesmo após um ano de vazio sanitário. (CORRÊA & CORRÊA, 1992)

Transmissão
 
A transmissão da doença pode ocorrer de animal a animal por contato direto, ou indiretamente através de fômites como: instrumentos de tratamento do exterior dos animais, esporas, estabulação, cercas e comedouros, cama de baias ou estábulos, arreios, raspadeiras, mantas e baixeiros (SMITH, 1994).
Os esporos podem viver sobre a pele sem causar lesões, e este tipo de “animais portadores” pode agir como importante fonte de infecção. (THOMASSIAN,1990)
A maior incidência de casos clínicos da doença ocorre durante o inverno já a de curas espontâneas  na primavera porém, os surtos em geral ocorrem durante os meses de verão devido ao aumento das chuvas proporcionando uma maior umidade, e é provável que o confinamento e a nutrição sejam mais importantes na disseminação da doença do que os fatores ambientais, como a temperatura e a luz solar. 
A suscetibilidade do animal é determinada pelo seu estado imunológico, de modo que os animais jovens são os mais suscetíveis. (BLOOD,1991)

Outro fator importante fator é a aglomeração de animais jovens, e fatores que diminuam a resistência às infecções, como a má nutrição e o uso prévio de medicamentos imunossupressivos. (SMITH,1994).  
Além disso, a umidade crônica por transpiração ou as agressões ambientais à barreira protetora da pele aumentam as oportunidades de infecção. (STEPHEN & BAYLY, 2000).
Não se pode falar realmente em transmissores e vetores, a não ser que se considerasse que, como um fungo zoofílico necessita instalar-se num hospedeiro para manter-se vivo e depois infectar a outros, o animal infectado seria reservatório, transmissor e fonte da infecção por contágio direto, o que nos faz conceituar que as dermatofitoses não tem transmissores nem vetores propriamente ditos.(CORRÊA & CORRÊA, 1992)
O período de incubação pode variar entre 1 a 6 semanas, e na maior parte das circunstâncias, a dermatofitose é uma doença auto limitante, durando a infecção entre 1 e 4 meses. Provavelmente, a regressão espontânea está pelo menos em parte relacionada ao desenvolvimento da imunidade. 
A imunidade que se desenvolve provavelmente é incompleta, e sua duração é desconhecida. (SMITH, 1994)

Sinais Clínicos

A sintomatologia clínica da dermatofitose, é a lesão clássica, uma área circular de alopecia (perda de pelos) com pelos grossos na margem e quantidades variáveis de descamação, pode-se observar eritema e hiperpigmentação (vermelhidão). (STEPHEN & BAYLY, 2000)
A decomposição do tecido queratinizado provoca a quebra e queda dos pelos, com aparecimento de zonas circularas de alopecia (perda de pelos), pode ainda haver formação de crostas pápulas, pústulas, seborreia. (Beale, 2006). 
As lesões localizam-se com maior frequência na cabeça (ao redor dos olhos e comissuras labiais), orelhas, pescoço, dorso e extremidades.
Quando existe prurido, este é sugestivo de infeção com ectoparasitas ou alergia; a infeção bacteriana secundária também pode ocorrer (Miller, Griffin & Campbell, 2012).
No cavalo a manifestação inicial da doença pode ser similar à urticária, com os pelos nas regiões afetadas permanecendo eretos, este quadro pode ser seguido por alguma transudação até a superfície, contudo, muito rapidamente as lesões criam áreas definidamente demarcadas de perda de pelos, descamação e formação de crostas. (SMITH, 1994)

Prevenção e Controle

Devido ao meio ambiente em que vive os equídeos, algumas medidas de prevenção devem ser tomadas para evitar a doença:

  • Fornecer uma dieta adequada aos animais de acordo suas exigências.
  • A suplementação de vitaminas ADE pode ser considerada uma medida auxiliar importante, devido em épocas de seca os fenos possuírem um número menor destas vitaminas devido a época da seca.
  • Banhos após atividades que provocam sudorese, assim como deixarem os animais secarem ao sol.
  • Manter materiais individuais para cada animal, escovas, mantas, selas, cabeçadas, em caso de uso coletivo é recomendado a desinfecção destes materiais.
Como medidas de controle é recomendada o isolamento dos animais doentes ou suspeitos e desinfecção de materiais e instalações usadas para os animais acometidos.
Pelo fato desta doença ser uma zoonose, ou seja, transmissível ao homem também, deve-se ainda tomar todo o cuidado com as pessoas que estão submetidas ao contato com os cavalos contaminados, usando sempre equipamentos de segurança.

Diagnóstico

O diagnóstico definitivo faz-se apenas através do exame micológico, realizado em laboratório, com colheita de pelos e escamas da periferia e centro das lesões para cultura. A recolha deve ser realizada com luvas, de forma a impedir contaminações. 
Como os resultados podem demorar de 1 a 4 semanas é aconselhável começar o tratamento previamente.
O diagnóstico laboratorial baseia-se no exame de raspados de pele para a pesquisa de esporos ou micélios através da microscopia direta ou cultura fúngica. 
Para isso, os raspados de pele devem ser feitos após desengordurá-la com éter ou álcool, caso tenham sido feitos curativos com substâncias gordurosas (BLOOD, 1991), esse procedimento tem como objetivo diminuir o crescimento de contaminantes. (STEPHEN & BAYLY, 2000)

Tratamento

O tratamento mais utilizado nos equinos, são os tratamentos tópicos, que consiste na aplicação de shampoo, cremes, pomadas antifúngicos.
Pode ser utilizado o tratamento sistêmico com antifúngicos e fungistáticos para lesões generalizadas. (Rendle,2015)


As dermatofitoses são relativamente de fácil tratamento, mas devido sua patogenia, aos primeiros sinais deve-se contatar um médico veterinário, e nunca tratar o animal por conta própria.
Bibliografia
http://amazonpitkennel.tripod.com/dermatofitose.htm
Beale, KL. (2006). Dermatophytosis. In SJ. Birchard & RG. Saunders manual of small animal practice (3rd ed., pp. 451-458). St. Louis, Mo.: Saunders Elsevier.
Miller, W., Griffin, C., & Campbell, K. (2012). Fungal and Algal Skin Diseases. In Muller and Kirk’s Small Animal Dermatology (7th ed., pp. 231-243). St. Louis, Missouri: Saunders.
REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA – ISSN: 1679-7353  Ano VII – Número 12 – Janeiro de 2009 
Saiba onde comprar produtos Univittá:
Encontre o revendedor mais próximo.
Rodrigo Bicalho
Rodrigo Bicalho

Formado em administração de empresas e estudante de medicina veterinária, atualmente trabalha no Marketing da Univittá

Mais artigos deste autor
Leia Também
FOOT BALANCE Suplemento para cascos
FOOT BALANCE Suplemento para cascos

Nesse artigo falamos sobre os resultados que o FOOT BALANCE o produto para cascos da Univittá proporcionou para um muar na USP Pirassununga.

Barbatimão Pomada em feridas
Barbatimão Pomada em feridas

O Barbatimão é usado mundialmente e esse relato de caso ocorreu na USP Pirassununga, por um setor onde o cavalo e seu bem estar estão em primeiro lugar.

Gostou deste post? Deixe seu comentário